logo

Telefone (14) 3202-9656

Banco de Sangue


Banco de Sangue

Médica veterinária responsável: Dra. Karina Aparecida Serafim.

A transfusão de sangue ganhou notoriedade nos últimos tempos como medida emergencial na clínica de pequenos animais.

Definida como uma terapia intravenosa com sangue total ou seus hemocomponentes, a transfusão sanguínea é considerada um procedimento de urgência ou emergência, devendo sempre ser requerida por um médico veterinário.

O procedimento é indicado para correção ou auxílio em graves anemias causadas por hemorragias, hemólise, eritropoiese ineficaz, anemia hemolítica e neoplasias.

Sangue total fresco


Neste tipo de transfusão, se promove a expansão do volume sanguíneo aumentando a capacidade de transporte de oxigênio do receptor. É responsável também por fornecer fatores de coagulação, assim como, plaquetas e proteínas plasmáticas.

“Este tipo de procedimento é realizado sempre sobre prévio agendamento, já que faz necessário a transfusão imediata após coleta para que todos os componentes sanguíneos sejam devidamente aproveitados pelo paciente. ”

Sangue total resfriado


O sangue em sua totalidade, como dito, é responsável por promover a expansão do volume sanguíneo aumentando a capacidade de transporte de oxigênio, fornecendo uma fonte de proteína e fatores estáveis de coagulação.

Neste tipo de transfusão o que se visa é suprir a carência de hemácias e proteínas plasmáticas, já que as plaquetas e fatores de coagulação encontram-se diminuídas mantendo preservadas apenas os fatores estáveis de coagulação. Desta forma, o sangue poderá ser utilizado até 35 dias após sua coleta.

Vale lembrar que o médico veterinário é o responsável por indicar qual deficiência a ser suprida e desta forma, determinar a escolha da melhor bolsa sanguínea. 
O Centro Veterinário de Bauru conta com equipamento de armazenamento com sensor de alerta de temperatura para garantir a viabilidade da bolsa de sangue.

Nossos doadores


A clínica possui em média quarenta cães cadastrados, todos preenchendo corretamente os pré-requisitos. A doação ocorre a cada 2 meses aproximadamente.

Vacinas obrigatórias (V10 e anti-rábica) são oferecidas de forma gratuita ao cão doador devido sua excelente boa ação assim como de seu proprietário. Estes cães ainda contam com descontos especiais em todo e qualquer procedimento que vir ser necessário durante o período que se mantem doador.

“A doação de sangue não prejudica o doador”.

Como se tornar um doador


Para que cães e gatos possam entrar em nossa lista como pets solidários, é necessário que se preencha os seguintes pré-requisitos:

Cães

• Peso mínimo de 25 quilos
• Idade entre 1 e 8 anos
• Estar em dia com as vacinas
• Não apresentar nenhuma doença pré-existente
• Temperamento dócil
• Não estar gestante
• Disponibilidade do proprietário para quando necessário realizar a coleta da bolsa de sangue

Gatos

• Temperamento dócil
• Idade entre 1 e 7 anos
• Peso mínimo de 4 quilos
• Estar em dia com as vacinas
• Não apresentar nenhuma doença pré-existente
• Não estar gestante

O Centro Veterinário não possui banco de sangue de felinos devido sua baixa procura, mas oferece o serviço quando necessário, sendo o proprietário dono do animal receptor responsável por trazer o doador.

Quer que seu animal seja um doador?


Entre em contato conosco através pelos telefones indicados no site.

Perguntas Frequentes


  • Os animais possuem tipo sanguineos?
    • Sim, os tipos sanguíneos dos animais variam muito de espécie para espécie. Os grupos sanguíneos são determinados por um tipo específico de proteína encontrada na superfície dos glóbulos vermelhos, que são as células do sangue responsáveis pelo transporte de oxigênio e gás carbônico pelo organismo. Quanto mais proteínas, mais grupos sanguíneos a espécie vai ter. Podemos dizer então que os grupos sanguíneos são definidos por antígenos polimórficos, espécie-específicos, presentes na superfície da hemácia e demonstrados a partir de reações imunes utilizando anticorpos.

      Caninos: em cães os grupos sanguíneos são classificados pela sigla DEA ( Dog Erythocyte Antigen ). Podem estar presentes no animal combinados entre si. DEA 1 ( DEA 1.1, DEA 1.2, DEA 1 negativo ); DEA 3 ( DEA 3 positivo, DEA 3 nulo ); DEA 4 ( DEA 4 positivo, DEA 4 nulo ); DEA 5 ( DEA 5 positivo, DEA 5 nulo ); DEA 6 ( DEA 6 positivo, DEA 6 nulo ); DEA 7 e DEA 8.

      Felinos: Nos gatos existem três tipos sanguíneos: A, B e AB.

      Todos os gatos do tipo B possuem aloanticorpos naturais contra o tipo A.

      Os gatos do tipo A têm aloanticorpos naturais contra o tipo B, mas em pequena titulação e com menor poder de ligação.

      Os gatos do tipo AB são considerados sem aloanticorpos naturais contra A ou B.

  • Os doadores correm algum tipo de risco devido ao ato de doação?
    • Não, a doação de sangue assim como no ser humano, é um procedimento seguro não trazendo nenhum tipo de risco ao doador, podendo ser realizado bimestralmente sem prejuízo algum a sua saúde. Após a doação, o organismo do animal saudável consegue repor todas as células retiradas.

  • É preciso algum cuidado especial pré ou pós doação de sangue?
    • Antes de levar seu animalzinho para doação, é importante que o proprietário esteja certo de que seu pet não apresenta nem tenha apresentado nos dias anteriores nenhum tipo de comportamento ou sinal clínico que aponte qualquer anormalidade em sua saúde. Este é um papel do dono, já que ele convive diariamente conhecendo muito melhor seu animal de estimação. Caso haja algum tipo de sinal que coloque em dúvida sua saúde, é importante a comunicação ao médico veterinário responsável pelo banco de sangue.

      No que diz respeito aos cuidados pós doação, o ato em si não trás nenhum prejuízo nem mesmo momentâneo ao seu animalzinho, podendo então continuar sua rotina normalmente sem risco algum.